Recado com Endereço Certo - Julio Bianco

Recado Com Endereço Certo – 07-10-2017

Armas: ter ou não ter?
Um abraço nos queridos, iludidos e enganados leitores da calúnia, digo, coluna.
Certamente todos estão sabendo do tiroteio que aconteceu em um festival de música em Las Vegas. Pelo menos 59 pessoas morreram e mais de 500 ficaram feridas após um homem atirar do 32º andar do Mandalay Bay, um famoso Cassino e Resort de Las Vegas (EUA), contra uma multidão em um Festival de Música na noite do último domingo 1º deste Outubro. A ação já é considerada o maior ataque a tiros da história dos Estados Unidos.


O massacre foi reivindicado pelo Estado Islâmico. O atirador, identificado como Stephen Paddock, de 64 anos, teria jurado lealdade ao grupo há alguns meses, no entanto, o FBI, a Polícia Federal americana, afirma que não foi encontrada nenhuma evidência de conexão de Paddock com grupos terroristas internacionais. Mais cedo, o Xerife da Polícia de Las Vegas, Joseph Lombardo, disse acreditar que não se trata de um atentado terrorista e afirmou que o atirador era um morador local, um ‘lobo solitário’.
A primeira informação oficial era de que o suspeito havia sido morto por Policiais. Mais tarde, no entanto, Lombardo afirmou que o atirador se matou antes da chegada das forças de segurança. Ligadas a ele, foram encontradas 42 armas – 23 armas na casa dele, em Mesquite, e 19 no Hotel.
Vi as cenas pela TV, e confesso que fiquei bestificado com a maneira como tudo foi feito… Não foi um ataque de um comando terrorista, ou de um bando de fanáticos, foi apenas UMA PESSOA, com um monte de armas, uma pessoa até então considerada ‘normal’, sem antecedentes…
E aí me pego pensando o que levou essa pessoa a fazer o que fez…

…E POR FALAR EM fazer, a atitude revela um fator cultural que prevalece na sociedade norte americana para quem a arma é uma extensão do corpo.
Aqui no Brasil quando nasce um filho homem, o feliz pai vai correndo na loja e compra uma camisa do time para o qual ele torce, ou se a filha for do sexo feminino, a mãe pede pro pai comprar uma lembrancinha que marque a data… Nos EUA, não, lá quando nasce um filho homem, o pai vai direto à loja e compra uma ARMA, se possível de alta potência, para que seja uma herança do rebento quando ele for grande e precisar se ‘defender’.
Nos EUA compram-se armas como aqui compramos cuecas, basta um ou dois documentos (que podem ser falsificados), um Atestado de Bons Antecedentes (que pode ser falsificado), e grana necessária para adquirir o trabuco e as munições…

…E POR FALAR EM armas e munições, por que lá não existem leis que dificultem o acesso às armas? Pra quem não sabe, a indústria armamentista norte americana é poderosa, o que a JBS faz aqui com nossos políticos, a indústria das armas faz lá, com os políticos da terra do Tio Sam, por isso eventuais leis contra o uso de armas são barradas no Congresso americano, ainda mais agora que tem um louco na presidência dos EUA, aliás, dono de um fantástico arsenal bélico.

…E POR FALAR EM arsenal bélico, aqui tivemos a ‘lei do desarmamento’, e muitos reclamam, inclusive eu às vezes, contestando que desarmaram a população enquanto os bandidos continuaram com seus arsenais.
Mas, e sempre existe um mas, será que se eu portasse uma arma teria coragem de atirar em alguém, mesmo que fosse um bandido? Não sei, dizem que tudo é uma questão de momento, a emoção nos leva a coisas incríveis, a ações que não imaginávamos capazes de fazer, mas sinceramente, acho que não teria coragem de atirar em ninguém, embora tenham muitos que mereçam uns tiros naquele lugar que não bate sol, ah-ah!
Solução? Não tenho, respeito todos os argumentos lógicos, mas ao ver uma matança como a de Las Vegas fico pensando o que poderia acontecer no Brasil se os brasileiros vivessem armados ‘até os dentes’, conforme dizem.
Sei que revolta ver a bandidagem com suas armas, melhores que as da Polícia, mas será que se cada um tivesse uma arma a situação melhoraria? Ou será que teríamos aqui matanças iguais as de Las Vegas?
Não tenho resposta pra isso, mas os comentários servem para que possamos pensar sobre o assunto…

…E POR FALAR EM assunto, a bola da vez nesse início de Outubro é a GESTAÇÃO Municipal… Não, não errei, não troquei gestão por gestação, é gestação mesmo…
Façamos as contas, a ‘nova’ Administração Municipal tomou posse em Janeiro, ou seja, NOVE meses de Governo, assim sendo, em Setembro nasceu o bebezão… E que bebezão! Birrento, chora o tempo todo, reclama, vive xingando a imprensa…
Observando bem, esse bebezão deve ser PeTelho: não faz nada e pede ajuda o tempo todo, ah-ah! Tem ou não tem cara de ‘Bolsa Família’?
Brincadeiras à parte, nunca, em tempo algum, vi uma administração tão ruim nos seus nove primeiros meses de vida.
Aquele papo que tinha dinheiro e faltava gestão se mostrou totalmente falso, o que ficou claro é que o histórico de bom administrador foi forjado em cima de bons momentos financeiros, na Cidade, no Estado, no País e no Mundo. Quando precisou trabalhar com a criatividade, com planejamento, vimos que sem dinheiro a atual Administração não passa de mais do mesmo.
Como batataense adotivo, torço para que esse quadro seja revertido, que a partir de agora as coisas mudem, que as promessas sejam cumpridas, que o Governo finalmente comece a funcionar. Mas, e sempre existe um mas, sabendo que, o que arrecadamos e fica aqui é pouco, e que em São Paulo e Brasília os cofres estão vazios (aqui só chegam migalhas), e que perdemos quase que totalmente o prestígio político que um dia tivemos, não apostaria todas minhas fichas que o atual quadro municipal possa melhorar tão cedo.
Tomara que eu esteja enganado, e não teria o menor constrangimento em vir a público e reconhecer (elogiar jamais, afinal ganham para trabalhar bem) que a Administração deu a volta por cima e saiu da tempestade…
Até que isso aconteça, se é que acontecerá, vou continuar cumprindo aquilo que entendo ser a função de um jornalista, articulista, comentarista: denunciando erros e cobrando acertos, pois como disse Millôr Fernandes, ‘imprensa é isso, o resto é tertúlia flácida pra bovino ressonar’, ou seja, conversa mole pra boi dormir.
E vamos em frente que ainda tem muito papo…

…E POR FALAR EM papo, ou melhor, bate papo, a turma de atiradores do TG 02-047, de 1998, reuniu-se pela primeira vez após 29 anos de ter vestido garbosamente a farda verde oliva.
Pela foto podem ver que muitos já não caberiam na farda, ah-ah! Mas o importante é a confraternização, rever antigos colegas de TG, relembrar momentos que ficaram marcados pra sempre.
Aqueles ‘meninos’ de 1998, pois é… 29 anos se passaram, hoje se tornaram homens, pais, cidadãos, cada qual buscou sua história, e a fez, e certamente viveram momentos felizes nesse reencontro. A intenção da turma é promover novos encontros, tomara que consigam.
Tempos atrás o Jibóia tentou promover um encontro parecido com a ‘nossa’ turma de TG, infelizmente uma boa parte do ‘nosso time’ já não está mais aqui, estão vestindo outra farda, ‘lá em cima’, então achamos melhor não levar a coisa (epa!) adiante…

…E POR FALAR EM adiante, seguindo em frente, tem certas coisas que deixam nítida a maneira sem planejamento como somos governados e conduzidos…
Vivemos uma crise de moedas, ninguém tem moeda pra voltar de troco, tem Supermercado em Ribeirão pagando R$ 60,00 pra quem levar R$ 50,00 em moedas…
Pois bem, volta o pensamento para anos atrás e relembro os Bancos, no afã de acostumar os brasileiros a pouparem, fazendo campanhas publicitárias para que as pessoas guardassem moedinhas nos cofrinhos, e no final do ano depositassem as ditas cujas na poupança. Tinha Banco que dava um cofrinho de presente quando a gente abria a poupança… Epa! Esse negócio de ‘abrir a poupança’ pega mal… Mas deixa pra lá.
Pelo visto a propaganda deu certo, tão certo que agora o Governo é obrigado a cunhar milhões em moedas, porque a galera acostumou a colocar no cofrinho… Vixe! Hoje tô mal, primeiro foi ‘abrir a poupança’, agora ‘colocar no cofrinho’, sei não, hoje amanheci coisado, kkk…
Pode parecer um detalhe, mas perceberam como uma atitude mal planejada pode ter reflexos no futuro?
Infelizmente nossos (des)Governos são assim, ‘REAGEM’, tentando resolver um problema que surge, na maioria das vezes, provocado por ele mesmo, o certo seria AGIR para que os problemas não surgissem, e fazendo isso gastam duas vezes mais, como é o caso aqui com os buracos nas ruas.

…E POR FALAR EM buracos nas ruas, nove meses se passaram, grande parte desse tempo no período ‘da seca’, e os buracos não foram todos tapados, imaginem agora que a estação ‘das chuvas’ está começando!
Aliás, ainda sobre os buracos, será que é possível fazer uma perícia técnica sobre a qualidade do asfalto colocado nas vias públicas nos últimos 15 anos? Sabe, antes o asfalto durava um tempão, agora eles jogam a coisa (nossa!) hoje e amanhã já aparecem buracos. Será que a qualidade desse asfalto está dentro dos padrões exigidos pelas Licitações. É possível uma perícia para constatar isso?
Não, estou duvidando de nada, apenas gostaria de ver um laudo técnico que me provasse a qualidade do asfalto que tem sido colocado nas ruas de Potatoes City.

…E POR FALAR EM Potatoes City, o Governo Estadual do PSDB autorizou mais R$ 9,7 milhões para uma tantada de Municípios, sabe quanto veio pra Batatais? ZERO!
Entendem o que quero dizer quando comento sobre perda do prestígio político?
Quando os governantes se apequenam, as Cidades que eles governam também ficam menores, não no tamanho, mas no que representam para os Governos Estadual e Federal…
O Governador Alckmin visitou várias Cidades da Região, sabe quantas vezes ele veio aqui nos últimos anos? NENHUMA! Então vamos parar de dizer, senhores governantes locais, que ‘sou isso’, ‘posso aquilo, ‘mando ver naquilo outro’… Pros ‘homens lá de cima’, nós aqui somos aquilo que Rui Barbosa definiu muito bem: UM MONTE DE NADA!

PÍLULAS DE SABEDORIA
Mais algumas que pincei no face…
01 – Quanto tempo durou seu infinito?
02 – Como dizia o ‘Pequeno Príncipe’: “Mas quando a gente fica vermelho não é o mesmo que dizer sim?
03 – O sorriso dela tira minha alma pra dançar…
04 – Eu era poesia, ela nem sabia ler…

RECADO FINAL